19 de setembro de 2017

INVISÍVEL


Não sei se me enxerga 
Assisto você se vestir
Já vi muitas vezes
Conheço cada detalhe 
Seu corpo
Gosto de ver como
Ajeita com as mãos
O cabelo


Noites e noites juntos
Você me toca
Me acende
Te ilumino
Sem contudo te ofuscar
Você me usa
Pega um livro
Invejo o deslizar de seus dedos
Sobre as páginas
E a ânsia por devorar
A história
Queria me transpor


Adormece
Como se eu nada fosse
Passo a noite em claro
Velo teu sono 
Escuto tua respiração
Quero ser ar


Acorda sorrindo 
Me olha
Acho que é pra mim
Me apaga
Assopra uma vela 


Levanta correndo
Se apronta
Naturalmente 
Vai
Sem sequer se despedir


Dor
Nem um carinho
Penso em desistir
A noite te verei novamente
Adoro sua companhia
Objeto ao seu dispor
Me sinto invisível


Assim 
Levo a vida
Na expectativa
De um novo toque
De me conformar 
Entender que sou
Um simples abajur