1 de julho de 2019

TANGO DA SOLIDÃO



Te vejo chegar
Assim de relance
E meio de longe
Você vem andando
Até se sentar

De frente pra mim
Mas meio de lado
Não perto
Distante
A ponto deu não
Poder te tocar

Me olha e sorri
Me encanto
Me espanto
Que foi esse olhar?

Levanto e resolvo
Sair pra dançar
Você também vem
Mas fica de longe
Depois chega perto
Mas não o possível
Pra eu te tocar

E então se afasta
Aí me aproximo
Escolho o perto
A ponto de então
Poder lhe falar

Mas não era isso
Queria o toque
Dançamos de novo
Você pra lá
Eu pra cá

Escolho ir embora
Queria ficar
E quando me afasto
Pra não te encostar
As mãos se encontram
Num instante
No ar
Se enlaçam se tocam
Até se soltar
Suave e de leve
Querendo abraçar

Me afasto
E te olho
Você pra lá
Eu pra cá